Proletários de todos os países, uní-vos! Não a intervenção imperialista na Líbia! Solidariedade com o povo líbio A reacionária coalizão de forças imperialistas que atacam militarmente a Líbia sob o pretexto de defender a população civil e amparando-se em uma resolução do Conselho Geral da ONU é mais uma agressão Continue lendo

Camaradas, não temos dúvida em afirmar que o Partido Comunista do Trabalho da República Dominicana representa uma trincheira avançada do movimento comunista internacional e é, de fato, o partido dos trabalhadores dominicanos. Quando muitos no mundo e, em particular, na América Latina, baixaram a cabeça frente à ofensiva ideológica daContinue lendo

A OTAN iniciou seu ataque contra a Líbia algumas horas depois do Conselho Geral da ONU aprovar uma resolução que autoriza a adoção de “todas as medidas necessárias” para impor uma zona de exclusão aérea no país. Com ela o imperialismo aplica, uma vez mais, seu habitual dois pesos eContinue lendo

No último dia 20 de janeiro, várias organizações nacionalistas e de esquerda na Tunísia constituíram a Frente do 14 de Janeiro — data da fuga do presidente deposto de Ben Ali. O Partido Comunista dos Operários da Tunísia (PCOT), integrante da CIPOML, compõe esta Frente com mais 13 organizações: o Movimento dos Unionisdtas Nasseristas, a Liga da Esquerda Operária, o Movimento Baath, os Esquerdistas Independentes, o Movimento dos Nacionalistas Democratas, o e o Partido do Trabalho Patriótico e Democrático.Continue lendo

Na conferência de quadros celebrada em 22 de janeiro, decidiu-se pela participação do Partido Comunista de Benin (PCB) nas eleições presidenciais do Benin e se designou como candidato o professor Philippe Noudjenoume, primeiro-secretário do Partido. Os participantes da Conferência decidiram transmitir rapidamente a informação ao povo beninense através de propagandaContinue lendo

Palestinos identificam-se como um povo

Nos últimos anos, Israel recrudesceu sua ofensiva contra o combativo povo palestino, procurando por todos os meios, econômicos, políticos e militares submetê-lo ou aniquilá-lo, se possível para controlar e se apropriar dos ricos recursos petrolíferos e minerais de toda a região do Oriente Médio.

A agressão militar, através do permanente bombardeio ao povo palestino, o controle das fronteiras, o bloqueio genocida de Gaza como o avanço na ocupação direta do território com assentamentos israelenses, como os ataques bélicos para impedir a solidariedade internacional de outros povos à justa luta dos irmãos palestinos, se aprofundou com a crise econômica internacional do capitalismo-imperialismo.Continue lendo

Denunciamos vigorosamente a feroz repressão que o governo alauita de Mohamed VI exerceu contra o acampamento saarauí de Gdaim Izik, em que as forças repressivas marroquinas (polícia, paramilitares e Exército) levaram a cabo ataques, arrasaram o acampamento e causaram dezenas de mortos e feridos, entre eles crianças e mulheres. O governo marroquino impôs um bloqueio total e impede os jornalistas de chegar até Aaiún, capital do Saara. Entretanto, foi possível recolher testemunhos pelo “Humans Rights Watch”, que denunciam as surras e torturas a que foram submetidos os detidos saarauís, inclusive nos hospitais a polícia montava guarda para golpear os feridos conforme chegavam.Continue lendo