A Verdade precisa chegar aos trabalhadores e trabalhadoras

O Brasil já tem mais de 10 mil brasileiros e brasileiras mortos pela Covid-19 e 140 mil pessoas contaminadas. E estes números oficiais, como sabemos, são subnotificados. Há meses que o Governo fascista sabia que o novo coronavírus estava causando mortes na Ásia, na Europa e nos EUA, mas nada fez. Pelo contrário, seguiu com sua política em favor da classe rica e da família do capitão reformado.

 Diante dessa tragédia, os trabalhadores, os jovens, os idosos, todos se perguntam por que esse vírus mata tanta gente em nosso país? Por que o Governo não agiu para evitar esse genocídio? Por que há hospitais e leitos para os ricos e não há nem respirador para os pobres? Por que tanta injustiça num país que é tão rico?

Todas essas perguntas só podem ser respondidas corretamente se o jornal A Verdade chegar até o povo. Ademais, como ficou claro nas criminosas filas para saber informações sobre o auxílio emergencial, uma grande parte da população não tem acesso a internet e só recebe informações pela TV e rádios, que são propriedades da classe dominante. Assim, se antes da pandemia já era indispensável ler e divulgar o jornal A Verdade, agora, é fundamental.

A primeira tarefa é, sem dúvida, garantir que todos os colaboradores e colaboradoras recebam o jornal. É perfeitamente possível ter camaradas com bicicletas, motos ou carros, usando máscaras e portando álcool gel, e que não sejam do grupo de risco, indo às casas e entregando o jornal aos assinantes e as quotas para que os militantes possam trabalhar. Se a pessoa está em isolamento, pode ler o jornal e vendê-lo a seus vizinhos. Isso não ocorreu no mês de abril e muitos camaradas não leram o jornal, apenas viram alguns artigos em nosso site. E de passagem.

Por mais que as medidas de isolamento social dificultem o trabalho corpo-a-corpo que sempre fizemos, não podemos abrir mão de levar o jornal A Verdade a nossos leitores e a quem mais precisa da mensagem revolucionária.

Se cada militante listar vizinhos, parentes, amigos ou pessoas próximas, teremos aí uma grande rede de compradores do jornal, mesmo na quarentena. Ao mesmo tempo, fazendo isso, esses companheiros e companheiras aprofundarão suas relações pessoais e esclarecerão mais gente sobre as causas da profunda crise que se encontra o Brasil e o mundo.

Além disso, devemos continuar unindo a campanha de solidariedade promovida em todo país pela UJR, MLB, Olga, MLC e UP com a venda do jornal nos bairros e ocupações. Toda família que está sofrendo com a crueldade do Governo Bolsonaro precisa ter acesso ao nosso jornal, pois, somente assim, a indignação que sente poderá se transformar brevemente em revolta e rebelião.

A Verdade tem se mantido nesses 20 anos de existência graças ao trabalho e à dedicação de milhares de militantes e colaboradores espalhados por todo o Brasil. Agora, mais do que nunca, é preciso fortalecer essa rede e colocá-la em movimento.

Em tempos de pandemia, precisamos ter mais iniciativa e criatividade para manter e reforçar os laços com a classe trabalhadora, o povo pobre, a juventude e as mulheres.

De casa em casa, de mão em mão, vamos levar nosso jornal e a verdade para os trabalhadores e o povo brasileiro e combater as mentiras do governo fascista!

Fora Bolsonaro! Pelo poder popular! Pelo socialismo!

Manoel Lisboa vive!

Da Redação


Postado em 8 maio, 2020 às 15:23.
Categorias: Destaque, Notícias.