Declaração sobre a brutal tentativa do governo de Ouattara contra funcionários alfandegários da Costa do Marfim em greve por melhores condições de vida

Em outubro de 2017, a Renovação Sindical dos Aduaneiros da Costa do Marfim (RSDCI) apresentou um aviso de greve para as seguintes reivindicações: pagamento de atrasos dos prêmios no primeiro trimestre de 2015; auditoria da Mútua dos Aduaneiros; reorganização da referida mútua com maior envolvimento dos agentes, reorganização do trabalho extra, etc. Após a recusa do Diretor-Geral das Alfândegas em responder a essas reivindicações, o RSDCI convocou os funcionários aduaneiros da Costa do Marfim a realizarem dois dias de paralisação, em 17 e 18 de outubro de 2017. Essa paralisação do trabalho tem sido amplamente divulgada em todo o país. Em pânico por este movimento, a DG mobilizou centenas de policiais para enfrentar seus companheiros policiais aduaneiros.

Esta greve, a expressão normal e legal dos trabalhadores em caso de interrupção nas negociações com o empregador, foi tratada como uma insurreição e foi assim brutalmente reprimida pela polícia nacional. O balanço relata vários ferimentos graves e várias prisões.

O Partido Comunista Revolucionário da Costa do Marfim observa que, desde a sua ascensão ao poder, diante de todas as demandas políticas e sociais, o governo de Ouattara tem utilizado apenas o uso da força como solução. Sem voltar muito longe, as repressões em 2016 e 2017 devem ser lembradas. Em 28 de outubro de 2016, os partidos políticos opostos à constituição do tipo autocrático da 3ª República organizaram uma marcha de protesto de milhares de participantes. Esta marcha, tida como uma insurreição, foi reprimida e seguida pela prisão dos principais líderes do movimento. Em novembro e dezembro de 2016, após o desastre do cacau, os agricultores organizaram manifestações para protestar contra a atitude despreocupada do Conselho do Café e do Cacau para a situação desta parcela da população. Essas manifestações foram reprimidas, os camponeses que protestavam foram jogados na prisão como bandidos vulgares.

Em setembro de 2017, os alunos decidiram entrar em greve para protestar e denunciar as extorsões no setor educacional, organizado pelo Ministério da Educação Nacional em cumplicidade com pais de estudantes desonestos; aqueles estudantes foram espancados e muitos foram presos. Hoje são os funcionários da alfândega que se submetem a um tratamento digno dos poderes medievais onde a liberdade de expressão e as manifestações públicas eram consideradas crimes.

Todo dia que passa, o governo de Ouattara mostra aos marfinenses sua verdadeira natureza: um governo predatório, que conhece apenas os interesses de seu clã; um governo longe das preocupações das massas; um governo que não respeita os direitos políticos básicos de uma república.

No momento em que os oficiais aduaneiros estão sendo espancados por Ouattara, os líderes do Conselho do Café e do Cacau e alguns subprefeitos ameaçam prender os camponeses que se atrevem a expressar sua raiva pelo preço dos 700 kg que lhes foi imposto. Os camponeses no leste são objetos de uma chantagem vergonhosa, enquanto aqueles no centro oeste estão proibidos de se reunir. As simples reuniões de diretorias de sindicatos têm que ser submetidas à autorização prévia de subprefeitos.

É por isso que o Partido Comunista Revolucionário da Costa do Marfim:

– Denuncia a barbaridade do governo de Ouattara sobre os trabalhadores em luta;

– Apoia sem reservas as lutas dos funcionários aduaneiros, contra o roubo de fundos públicos, a retenção de bônus dos trabalhadores por líderes corruptos;

– Deseja uma pronta recuperação aos funcionários da alfândega feridos;

– Convoca os povos da Costa do Marfim a se engajarem firmemente na luta por uma alternativa revolucionária, a única possível por uma Costa do Marfim emancipada.

 

Abidjan , 19 de outubro de 2017

PCRCI

AchyEkissi

Secretário Geral


Postado em 21 outubro, 2017 às 0:53.
Categorias: CIPOML, Comunicados.